O plano de investimentos de R$ 650 milhões da Iveco

Marco Borba, vice-presidente da Iveco para a América Latina

A Iveco detalhou seu plano de investimentos de R$ 650 milhões que serão aplicados até 2016, com o objetivo de aumentar a eficiência e a competitividade dos veículos Iveco no mercado brasileiro. Os recursos serão concentrados na localização de componentes, no aprimoramento contínuo dos processos industriais e na otimização dos fluxos logísticos.

“Esse processo já é uma realidade prática no complexo industrial da Iveco em Sete Lagoas (MG). Ou seja, mais que uma promessa para o futuro, é uma transformação que já pode ser vista no presente. Queremos produzir de forma cada vez mais sustentável e entregar ao mercado produtos com alta qualidade, tecnologia e uma dose extra de competitividade. É a manifestação do compromisso de posicionar a Iveco no lugar de destaque que a marca merece ocupar no mercado brasileiro”, declara Marco Borba, vice-presidente da Iveco para a América Latina.

Cerca de R$ 240 milhões serão direcionados para as áreas de pesquisa, desenvolvimento e inovação para aumentar a eficiência e aprimorar a qualidade da atual linha de veículos e dos que ainda estão em fase de projeto. “Isso significa entregar veículos mais econômicos, sempre disponíveis para o proprietário e com um excelente custo operacional”, assinala Borba.

Os novos investimentos incluem a aquisição de equipamentos de alta tecnologia para garantir a qualidade do processo de produção de veículos no complexo industrial de Sete Lagoas, onde a Iveco fabrica uma variedade de produtos que vai desde modelos leves até o blindado Guarani. Entre esses equipamentos estão novas unidades que ajudam no diagnóstico de falhas, máquinas que realizam eletronicamente o abastecimento de fluidos – com detecção automática de vazamentos – e um novo robô de pintura.

Para tornar o processo produtivo mais sustentável e econômico foi implantado um programa para redução do consumo de energia, com a alteração no tempo de funcionamento de vários equipamentos na fábrica; um projeto de reaproveitamento da água utilizada no processo de pintura; e a adoção de ações de reutilização de embalagens geradas no processo logístico.

Fora da fábrica, em uma área de 300 mil metros quadrados dentro do seu complexo industrial, a Iveco ergueu um campo de provas para testar todas as linhas de produtos da montadora – incluindo uma bateria específica de testes exigidos pelo Exército para o Guarani. O investimento nesse campo de provas somou R$ 24 milhões para criar um ambiente completo de desenvolvimento para testes de durabilidade, velocidade, ruído, força e frenagem, com rampas especiais. A inauguração oficial do campo de provas está prevista para a segunda quinzena de junho.

Segundo informações da Iveco, boa parte dos investimentos anunciados está sendo direcionada para aumentar o índice de nacionalização das peças que compõem os caminhões produzidos em Sete Lagoas, o que refletirá em estímulo para toda a cadeia da indústria de autopeças. “Do lado da Iveco, a utilização em escala ainda maior de itens nacionais representa para a marca mais eficiência logística e mais independência das variações do câmbio”, declara a empresa, em comunicado.

Dentro desse processo, a montadora inaugurou, no final do ano passado, também em Sete Lagoas, o Distrito Industrial da Iveco, para que os fornecedores da marca ali se instalem. O local fica ao lado da fábrica, em uma área de 257 mil metros quadrados, às margens da rodovia MG 238.

Segundo a empresa, oito dos 20 lotes disponíveis já estão reservados. “O Distrito Industrial deverá gerar 700 empregos diretos e 2.800 indiretos, além de representar um aumento de 10% a 15% no número de fornecedores de material localizados em Minas Gerais. Sem falar na geração de lucro e arrecadação de impostos para o Estado”, afirma Osias Galantine, diretor de compras da CNH Industrial, empresa que controla a Iveco.

Haverá também um reforço na capacitação de profissionais para melhoria dos serviços de pós-venda, com a inauguração de um centro de treinamento em Sorocaba, no interior de São Paulo. O objetivo é capacitar, anualmente, cerca de 4 mil colaboradores da CNH Industrial.

 

Veja também

Por