Um novo aeroporto para Minas Gerais

Peter Robbe

Peter Robbe*

O Aeroporto Internacional Tancredo Neves vem se preparando para ampliar a participação em um mercado com potencial estimado de US$ 3 bilhões em cargas aéreas. Deste total, US$ 2,2 bilhões em exportações e US$ 700 milhões em importações. A presença maior do aeroporto neste segmento irá contribuir para a transformação da Região Metropolitana de Belo Horizonte em um dos principais polos de logística do país.

Essa é a diretriz que move a atuação da BH Airport, concessionária do aeroporto, por meio de sua área de logística de cargas, a BH Airport Cargo. Desde que assumiu a operação plena, em janeiro deste ano, a BH Airport desenvolve um amplo planejamento que visa tornar o aeroporto referência nacional e internacional em carga aérea.

A localização privilegiada, no centro do eixo Rio de Janeiro-Belo Horizonte-São Paulo, reforça a vocação natural para ser um grande centro de distribuição de cargas no país. A região concentra nada menos do que 50% da população brasileira, 65% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional e 65% da produção industrial do país.

Essas características são essenciais para o mercado interno no escoamento da produção para os maiores centros consumidores do país, tanto os já consolidados quanto os que estão em expansão.

Além disso, a consolidação de uma nova área de logística de cargas abre a oportunidade para que sejam ampliadas as exportações de produtos elaborados por Minas Gerais. Por isso, uma de nossas tarefas é concluir o mapeamento de toda a demanda por transporte de bens produzidos no Estado nas áreas de Biotecnologia, Eletrônicos, produtos aeronáuticos e setor automotivo.

Em razão disso, o foco principal da BH Airport Cargo é o transporte de produtos de alto valor agregado pelas empresas, tornando o Aeroporto Internacional Tancredo Neves uma referência em distribuição para o país e para o exterior.

Nesse contexto, atuar na BH Airport Cargo é um desafio e uma experiência extremamente gratificantes. Trata-se de oportunidade ímpar para desenvolver e implantar um novo modelo de gestão e de logística de carga aérea, com mais competitividade das empresas, aproveitando a experiência adquirida ao longo de 15 anos em Capacity and Revenue Management na Lufthansa Cargo, em Frankfurt, Alemanha.

Esta área era a responsável pela otimização dos processos de embarque e desembarque de cargas para toda a malha aérea do Grupo Lufthansa, análise da rentabilidade das rotas, assim como planejamento e coordenação do recebimento, entrega e armazenamento.

As operações consideravam diversas variáveis — peso, volume, valor, tipo de carga, destino, urgência da entrega — em um dos principais centros de distribuição de carga do mundo, o que requer um planejamento complexo, totalmente feito real time.  

O trabalho é voltado ao melhor aproveitamento do espaço interno das aeronaves, alinhado ao fluxo das cargas, e exige revisão sistemática dos processos, de forma a permitir o dimensionamento de novas rotas, a integração com outros modais de transporte e a entrega eficiente dos produtos aos destinatários.

A partir de uma visão de longo prazo, ancorada por um contrato de concessão de 30 anos, a BH Airport tem em seu DNA a experiência comprovada de seus principais acionistas: o Grupo CCR, um dos maiores grupos de concessão de infraestrutura da América Latina, e a Zurich Airport, operador aeroportuário internacional de Zurique, na Suíça.

Este é o nosso desafio. Transformar o Aeroporto Internacional Tancredo Neves em um indutor do desenvolvimento de setores industriais já importantes no Estado, contribuir para o aumento constante da competitividade destes produtos e aproveitar a vocação natural do aeroporto como um dos grandes centros de logística de cargas no país.

 

*Peter Robbe é gestor da BH Airport Cargo, área de logística de cargas da BH Airport, concessionária do Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Belo Horizonte.

Veja também

Por