Labace 2017: velocidade e luxo

A Labace 2017 (Latin American Business Aviation Conference & Exhibition) é a maior feira do setor de aviação executiva da América Latina, organizada pela ABAG (Associação Brasileira de Aviação Geral). Segundo Flávio Pires, CEO da entidade, o primeiro semestre de 2017 mostra uma leve melhoria nas vendas de aeronaves no Brasil. “O ano passado foi muito difícil, pois o nosso setor é muito ligado à atividade econômica. A exceção foi o segmento de aeronaves voltadas para o agronegócio que apresentou crescimento, principalmente na região centro-oeste (1,2%, em 2016). Neste semestre, podemos dizer que os resultados pararam de cair, e esperamos melhoria até o fim do ano”, diz.

Atualmente, a frota de aeronaves agrícolas é de 1,1 mil unidades. De olho nesse mercado, a Bembras Agro lança a solução Farm Control. “É uma nova ferramenta de fácil manuseio que conta com drones autônomos e software para tratamento de imagens que ajudam o produtor a controlar a sua fazenda de maneira eficiente, gerando economia”, destaca Johann Coelho, cofundador e CPO da empresa. A solução contempla um drone autônomo com câmeras fotográficas de alta resolução com sensor infravermelho e uma plataforma para processamento dos dados. Com tablets ou smartphones, os produtores podem ter acesso a mapas detalhados das áreas plantadas e enviar esses dados para o GPS do trator, por exemplo.

 

Segundo Leonardo Fiuza, presidente da TAM Aviação Executiva, não é apenas nesse segmento que há bons indícios, mas a aviação executiva, em geral, começa a dar sinais de recuperação. “Atualmente, apesar de sermos conservadores em análises, estamos um pouco mais otimistas com 2017 em relação ao ano passado. Percebe-se uma procura maior do que há alguns meses, os negócios já voltaram a ser concretizados em prazos menores; porém, notamos que o cliente ficou ainda mais exigente”, acredita. “No ano passado, a TAM Aviação Executiva comercializou 25 aeronaves (incluindo helicópteros). Este ano, já foram vendidas 20, e a expectativa é fechar o ano com algo entre 35 e 40 aeronaves”, informa Fiuza.

E se a venda de aeronaves executivas demonstra recuperação, os outros serviços que integram o portfólio da TAM AE também dão sinais positivos. “Quando o mercado reage, toda a rede de serviços ligados à aviação executiva responde. Se há mais voos, o número de atendimentos cresce, as oficinas de manutenção recebem mais aeronaves e o número de tripulantes treinados também aumenta, “destaca Fiuza. “Acreditamos que o crescimento que temos registrado na venda desses adicionais se torne mais perceptível a partir do segundo semestre, período em que os negócios costumam estar mais aquecidos”, completa.

Leia  mais  na revista na revista Transporte Moderno nº483  no Acervo Digital OTM

You may also like

By