Azul Cargo receberá dois cargueiros no segundo semestre

Os novos aviões, modelo Boeing 737400 F serão utilizados exclusivamente para o transporte de mercadorias nas suas rotas nacionais e internacionais

A Azul Cargo Express, divisão de cargas da Azul Linhas Aéreas Brasileiras, passará a contar a partir do segundo semestre com dois aviões cargueiros puros para uso exclusivo no transporte de mercadorias nas suas rotas nacionais e internacionais.

Os novos modelos 737400 F são produzidos pela Boeing.

Para as suas operações de carga, a divisão Express utiliza atualmente o porão das 120 aeronaves comerciais que a Azul mantém em sua frota. São 66 E-Jets, 33 ATRs, 14 A320neos e sete A330s, com idade média de 5,6 anos. Esses aviões têm capacidade para levar de 0,8 a 3,5 toneladas de cargas.

Incluindo as 120 aeronaves que estão sob arrendamento operacional e as 26 sob arrendamento financeiro, a frota contratual da companhia é de 146 aeronaves. “As 26 aeronaves não incluídas em nossa frota operacional consistem em 15 modelos subarrendados para a TAP, quatro E-Jets e sete ATRs que estão em processo de saída de nossa frota”, esclarece John Rodgerson, CEO da Azul, no documento que apresenta o resultado financeiro divulgado pela companhia.

“As expectativas para 2018 são excelentes e esperamos aumentar a nossa participação no segmento e-commerce, além de oferecer soluções logísticas customizadas para os clientes corporativos”, afirma Enio Rabelo Frota, gerente de planejamento de cargas. Na avaliação do gerente, além da maior rapidez e segurança, o transporte aéreo é adequado devido ao preço competitivo.

Para o controle das suas operações de cargas, a Azul Cargo mantém cerca de 60 funcionários que trabalham na área administrativa e na torre de controle. Com a estratégia de viabilizar as suas operações de cargas, a empresa investiu nos últimos 12 meses cerca de R$ 5 milhões que foram aplicados principalmente em tecnologias e em infraestrutura.

 

META

Em 2018 a Azul Cargo projeta movimentar 40% a mais de carga que em 2017, quando transportou 40 mil toneladas no mercado doméstico, assegurando 11,5% de market share, e 15 mil toneladas nas suas rotas internacionais.

No primeiro trimestre a empresa transportou 11,6 mil toneladas de cargas no território nacional e 6,4 mil toneladas no internacional, segundo dados divulgados pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), mantendo o volume que está dentro da meta estabelecida pela companhia.

Do total transportado pela Azul Cargo no mercado brasileiro em 2017, os destaques foram livros e produtos eletrônicos e o maior volume foi concentrado nas cidades de Manaus (AM), Campinas (SP) e Recife (PE). No exterior o principal produto movimentando no ano passado foram frutas destinadas para as cidades de Orlando e Fort Lauderdale, além de Lisboa, Buenos Aires e Montevidéu.

Na importação, o produto que teve maior demanda em 2017, foram peças automotivas que abasteceram as indústrias da região metropolitana de São Paulo.

No primeiro trimestre de 2018 a Azul Cargo Express registrou um crescimento de 61% na sua receita em comparação ao mesmo período do ano passado. Esse avanço, segundo o CEO da Azul, foi decorrente da expansão da malha a partir da adição de aeronaves maiores na frota.

“Terminamos o trimestre com 200 lojas e uma participação no volume de cargas transportadas no país de 13%, um aumento de 4% ano contra ano”, esclarece Rodgerson no balanço financeiro divulgado pela companhia.

NOVAS LOJAS

A loja número 200 inaugurada pela Azul está localizada em Maceió. Com este posto de atendimento, a empresa passa a contar com dois estabelecimentos na capital de Alagoas; o outro está localizado no terminal de cargas do aeroporto da cidade.

A marca simbólica de representações consolida o plano de expansão da empresa, que oferece serviços de envio e recebimento de encomendas para mais de 3.200 municípios no Brasil e para o exterior.

Com o objetivo de fortalecer o alcance da marca e ampliar as oportunidades econômicas, a Azul Cargo Express inaugurou 20 lojas neste ano.

Segundo Izabel Reis, diretora da Azul Cargo Express, a inauguração do estabelecimento em Maceió dá início a um novo plano da empresa no mercado brasileiro.

“Sentimos a necessidade de abrir uma nova loja em Maceió para suprir a demanda de quem precisava se deslocar até o aeroporto.

A nossa intenção é continuar investindo na inauguração de novas lojas nas capitais e em cidades aonde não chegamos ainda, para proporcionar mais conforto e comodidade aos clientes. Queremos fortalecer a nossa presença para cobrir o maior número possível de municípios com o nosso serviço porta a porta, que não se limita ao aeroporto, mas é feito diretamente no destino solicitado pelo cliente”, afirma a diretora da Azul Cargo Express.

Por