Contra o assédio e a violência

Aplicativo conhecido por mostrar aos passageiros o horário preciso de chegada dos ônibus passa a agregar uma funcionalidade voltada para segurança

O Botão de Incidente Grave (BIG) é uma ferramenta do aplicativo CittaMobi que permite que os cidadãos denunciem casos de violência, assaltos e assédio sexual. Em poucos cliques, o usuário faz o registro no app e uma mensagem é enviada, em tempo real e com dados de localização, para o órgão de segurança responsável, que fará a ação adequada.

O aplicativo, desenvolvido pela Cittati em 2014 com objetivo de informar os horários dos ônibus, possui mais de seis milhões de downloads e conta com mais de 670 milhões de acessos. Duas cidades já adotaram o sistema: Guarulhos e Sorocaba, em São Paulo.

Para utilizar o BIG é preciso que o usuário tenha cadastro no CittaMobi, sendo que a denúncia fica vinculada ao CPF da pessoa.

Em Guarulhos, a ferramenta está em funcionamento desde março. A iniciativa é uma parceria entre a prefeitura de Guarulhos, a Guarupass (Associação das Concessionárias de Transporte Urbano de Passageiros de Guarulhos e Região) e a Cittati.

Desde o lançamento da funcionalidade, houve 36 ocorrências relatadas pelo BIG: dez foram casos de assaltos, três de assédio sexual, duas de violência, além de 21 denúncias referentes a outros tipos de incidentes, de acordo com informações da prefeitura.

Para utilizar o botão, o usuário deve baixar, gratuitamente, o aplicativo CittaMobi na Google Play ou App Store e realizar um cadastro. O passo seguinte é fazer o login, autorizar e ativar os serviços de localização e acessar o botão de incidente grave. Depois, basta selecionar o tipo de emergência e finalizar a denúncia. O serviço possui tecnologia de geolocalização que, por meio do GPS dos veículos, que permite às autoridades saberem o local exato da ocorrência. As informações são recebidas pela Central de Inteligência Integrada de Guarulhos (CIIG), por meio da Secretaria de Transportes e Trânsito, que repassa os dados para as autoridades competentes, como Guarda Civil Metropolitana, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e Samu, de acordo com o tipo de ocorrência.

O aplicativo CittaMobi foi acessado 545 mil vezes na cidade de Guarulhos, no mês de março de 2018. Segundo a prefeitura, a receptividade do BIG tem sido muito boa, sendo vista pelos usuários como uma forma de transformar o transporte coletivo em um serviço mais seguro. A ferramenta faz parte de uma campanha da Guarupass contra a violência de gênero e o abuso sexual no transporte público. A iniciativa, de abrangência nacional, é realizada em parceria com o Fundo de População da ONU e com a NTU (Associação Nacional das Empresas de Transporte Urbano). “A entidade repudia o abuso sexual, crime que deve ser combatido dentro e fora do transporte público”, afirma Márcio Pacheco, diretor executivo da Guarupass.

A Guarupass é responsável pela criação e administração do Bilhete Único de Guarulhos, cartão eletrônico válido em todas as empresas de ônibus da região, a entidade funciona também como importante elo entre o poder público, usuários do transporte e as concessionárias do município. A associação administra mais cinco lojas nos terminais de ônibus da cidade e mais de 100 postos de venda terceirizados, atendendo mais de 1,6 mil pessoas por dia.

Em Sorocaba, interior paulista, o BIG está em funcionamento desde novembro do ano passado, quando o sistema de transporte da cidade disponibilizou o aplicativo CittaMobi.

“Uma das funcionalidades do app é o BIG, que tem funcionado muito bem graças a uma interface direta que temos com os órgãos de segurança, como a Guarda Civil Metropolitana e a Polícia Militar. Além do botão de incidentes graves, os passageiros podem usar o aplicativo para a previsão de horários dos ônibus, como roteirizador e também report, que comunica reclamações e sugestões”, conta Renato Andere Martins, diretor executivo do Consor (Consórcio Sorocaba).

Com uma frota de aproximadamente 400 ônibus, o sistema sorocabano de transporte público passa por uma fase de modernização, principalmente devido à implementação do CittaMobi. “Vamos disponibilizar novos serviços ao usuário, como validadores online, que devem estar em uso dentro de 90 dias, possibilitando que o passageiro compre créditos por meio do aplicativo, inclusive com QR Code. No futuro, planejamos ainda oferecer atendimento online para cadastros de gratuidades e benefícios. A tecnologia é uma grande aliada para atrair o passageiro para o transporte público”, acredita Martins.

 

PESQUISA – Uma pesquisa realizada pela UITP, em parceria com o CittaMobi, mostrou que a segurança é uma das principais preocupações das pessoas que utilizam o transporte público. Entre os entrevistados, 81% afirmaram se sentir inseguros no transporte público. Essa percepção de insegurança é maior quando a pessoa é do sexo feminino (83%), se comparado com o sexo masculino (79%), aumentando para 84% entre os usuários do transporte público em cidades com mais de 500 mil habitantes. Na Região Metropolitana de São Paulo, 63% dos usuários se sentem inseguros.

A enquete ouviu 48,8 mil usuários, em mais de 80 cidades, de 26 de fevereiro a 6 de março deste ano. Entre as pessoas ouvidas, 55% eram do gênero feminino e a maior parte tinha entre 18 e 24 anos (35%) e 25 e 34 anos (30%). Boa parte (30%) usa o transporte público cinco dias por semana e 24%, seis vezes por semana.

A maioria (69%) utiliza o transporte público porque não possui veículo próprio.

A percepção de insegurança é justificada pelo receio de ser assaltado ou roubado dentro do transporte público para 40% dos entrevistados ou pela sensação de vulnerabilidade enquanto aguarda o transporte (26%).

Entre os motivos da percepção de insegurança apresentados, o receio de abuso sexual dentro do transporte foi apontado por 5% dos entrevistados. Esse motivo varia comparando homens e mulheres: 8% das mulheres indicaram o receio de abuso sexual dentro do transporte, frente a 0,8% dos homens.

Entre os que se sentem seguros no transporte público, as câmeras de vigilância e o pouco tempo de espera pelo transporte, com 20% e 19% respectivamente, são os principais motivos da percepção de segurança.

Quando questionados se já foram vítimas ou presenciaram uma situação de insegurança no transporte público, 70% afirmaram que já tiveram esse tipo de problema. “Algumas cidades têm buscado soluções para reverter esse quadro. Sorocaba e Guarulhos, por exemplo, fizeram parceria com o aplicativo CittaMobi para ativar o Botão de Incidente Grave, pelo qual o usuário pode reportar situações de urgência.”, comenta Fernando Matsumoto, gerente de produtos da Cittati.

Entre essas pessoas, 24% declararam que levam mais de uma hora em seus deslocamentos diários. Há um claro potencial para se relacionar com os usuários do transporte público nesse longo período de deslocamento. Durante as viagens urbanas, as pessoas não somente precisam de informações, como saber a melhor rota e horário dos ônibus, mas também gostam de consumir conteúdo. Entender as necessidades e o dia a dia dos passageiros faz parte dos nossos projetos. “Para isso, temos investido no tratamento dos milhões de informações que processamos em nosso big data, e buscamos aplicar modelos de inteligência artificial”, diz Matsumoto.

Veja também

Por