Citybus 2.0 entra em operação

Transporte coletivo por aplicativo de celular iniciou sua fase de testes
em Goiânia e teve mais de 15 mil acessos nos primeiros dez dias

Começaram os testes do Citybus 2.0, um serviço de transporte coletivo por aplicativo de celular, desenvolvido pela HP Transportes, que passou por mais de dois anos de estudos para chegar às ruas da capital de Goiás. O serviço complementar vai abranger, inicialmente, o centro expandido da capital de Goiás, que compreende 11 bairros.

A frota inicial é de 14 miniônibus, que poderá ser aumentada, caso haja demanda durante seis meses de projeto-piloto. O aplicativo pode ser baixado de qualquer loja de celular desde o dia 10 de fevereiro. Nos primeiros dez dias de funcionamento, foram realizados mais de 15 mil downloads.

No Citybus 2.0, o usuário escolhe seu destino, confirma a viagem e é direcionado para o ponto virtual, onde deve pegar o miniônibus, que será identificado na plataforma.

De acordo com a HP Transportes, Goiânia é a primeira cidade latino-americana a receber esse tipo de serviço.

Existem operações semelhantes em outras 50 cidades nos Estados Unidos, Europa, Canadá e Ásia. O projeto surgiu a partir de pesquisas feitas pela HP Transportes que identificaram queda de usuários no transporte coletivo convencional.

O estudo refletiu um desejo do consumidor pela escolha de suas próprias rotas e viagens que atualmente não são contempladas pelo serviço de transporte comum.

A velocidade do tráfego dos ônibus foi reduzida em mais de 30%, nos últimos cinco anos chegando a oito quilômetros por hora em algumas das principais avenidas dos centros urbanos, fazendo com que o transporte público coletivo seja menos atrativo à população. O CityBus 2.0 atende a uma necessidade de deslocamento para curtas distâncias, no conceito universal de microtransporte.

Por dia, os 14 miniônibus podem tirar até 650 carros das ruas. O Citybus 2.0 possui versões para iOS e Android. É necessário fazer um cadastro, aceitar as condições de uso, e o usuário já pode começar a usar. No mapa, há identificação dos locais de partida e de destino. O app vai indicar um miniônibus disponível. Em seguida, direciona o usuário para o ponto virtual mais próximo para o embarque. Como o serviço é coletivo, o usuário terá que se deslocar alguns metros para pegar o veículo. O ponto virtual é identificado na plataforma, assim como o miniônibus e o motorista.

Ao entrar no veículo, ele será identificado e seguirá viagem até seu destino. O valor da corrida varia de acordo com a distância percorrida.

O diretor de transportes da HP, Hugo Santana, revela que para colocar os 14 miniônibus nas ruas a HP investiu em inovação para desenvolver o serviço, que será realizado em parceria com a empresa americana Via. “Parte da equipe foi capacitada em metodologias que garantiram o desenvolvimento deste novo projeto. Em dois anos, a HP investiu cerca de R$ 5 milhões para a aplicabilidade do serviço e aquisição dos veículos, que, em sua fase piloto, irá empregar a mão de obra inicial de 30 motoristas, com capacidade para atendimento de até 3,5 mil viagens por dia”, explica.

A Via conta com mais de 40 milhões de viagens concluídas, em 50 cidades em todo o mundo. “Estamos entusiasmados em fazer essa parceria com a equipe inovadora da HP para trazer a tecnologia da Via para o Brasil”, afirma Daniel Ramot, CEO e cofundador da Via. “O serviço CityBus 2.0 mostra como o transporte público coletivo e a tecnologia podem trabalhar juntos para tornar uma cidade mais inteligente.

Os moradores de Goiânia agora têm uma maneira confortável, conveniente e acessível de se movimentar. Este é, de fato, um grande exemplo de uma cidade abraçando o futuro da mobilidade.”

Por