A transição para a mobilidade sustentável

Cidades europeias como Londres, Paris e Gotemburgo já iniciaram a substituição de suas frotas de ônibus por veículos menos poluentes, como os modelos elétricos ou híbridos

Para alcançar suas metas de redução de emissões, muitas cidades da Europa estão implementando estratégias de transporte que consideram a eletromobilidade para seus sistemas de transporte público.

Essas opções de política fazem parte dos esforços das cidades para melhorar a qualidade do ar em espaços urbanos, não apenas para participar do empenho mundial de combate à mudança climática, mas também para tornar as cidades em lugares mais saudáveis para viver.

Além do impacto positivo local dos ônibus elétricos na qualidade do ar das cidades, essas mudanças resultam em impactos na infraestrutura do espaço urbano e na organização do sistema de transporte.

Os efeitos variam de acordo com a tecnologia escolhida e o nível de implementação.

Repensar a relação entre o ônibus e a infraestrutura urbana poderá resultar na melhoria da mobilidade integrada e na qualidade de vidas nos centros urbanos.

Com esse objetivo as autoridades e gestoras de transportes de muitas cidades europeias estão adotando medidas voltadas à transição para a mobilidade sustentável.

Hoje na Europa as emissões de poluentes relacionadas ao transporte representam 25% do total das emissões, das quais os ônibus respondem por 8% (por passageiro por quilômetro). Renovar e modernizar as frotas de ônibus com tecnologia mais limpa é sempre uma oportunidade para as cidades aprimorar a qualidade do transporte e diminuir as emissões poluidoras, independentemente da tecnologia escolhida.

Ao substituir seus ônibus convencionais por veículos elétricos, por exemplo, as cidades desejam reduzir as emissões de CO2 ligadas ao transporte, além de material particulado como o NOx, que têm efeitos negativos para a saúde dos cidadãos.

Como os ônibus totalmente elétricos não produzem quaisquer emissões e são silenciosos, esses veículos frequentemente são priorizados nas estratégicas de transporte para realçar a saúde e a qualidade de vida nos centros urbanos.

LONDRES – A transição para ônibus sustentáveis está se acelerando na Europa.

Um exemplo é Londres, uma da primeira a adotar a medida. Sua estratégia de transporte tem a meta de atingir 80% das viagens até 2025 por meio de transporte público, com a utilização de ônibus de zero emissões. Até 2050 a capital britânica visa alcançar 100% de zero emissões no sistema uso de transporte. Paris tem o mesmo objetivo de converter sua frota de ônibus para veículos movidos a eletricidade ou biogás até 2050. A substituição de seus ônibus mais antigos por modelos elétricos está a todo vapor. Aqueles ônibus vermelhos adorados pelos cidadãos e turistas, os Routemasters, foram renovados gradualmente com modelos híbridos, mantendo o design tradicional. A maior parte dos Rotemasters hoje nas ruas de Londres é movida a eletricidade.

Há 3.240 ônibus híbridos, 96 ônibus elétricos e dez ônibus a hidrogênio operando em Londres, de uma frota total de ônibus de 9.396, segundo os últimos dados disponíveis.

Os primeiros ônibus híbridos de dois andares do mundo foram introduzidos em Londres em 2007. A Arriva, uma das principais empresas de transporte público da Europa, adquiriu 123 ônibus híbridos da Volvo para o transporte urbano de Londres.

O Reino Unido se consolidou então como país com a maior frota de híbridos da Volvo em circulação: são 1.250 híbridos operando nos sistemas de transporte do país, sendo 950 na cidade de Londres.

Após o lançamento dos primeiros ônibus híbrido da Volvo Buses, em 2010, as vendas aumentaram progressivamente e o portfólio de veículos passou por expansão e desenvolvimento contínuos.

A Grã-Bretanha, a Espanha e a Bélgica estão no topo das estatísticas de vendas do ano passado para os ônibus híbridos da Volvo. Esses modelos híbridos, que são até 39% mais econômicos em relação aos ônibus a diesel, registraram desde 2010 vendas e pedidos de mais de 4.000 unidades de clientes em 23 países.

Entre 1º de janeiro de 2018 e 1º de abril de 2019, o número de ônibus híbridos encomendados e vendidos totalizou 817 unidades.

O maior mercado da Volvo para ônibus híbridos é a Grã-Bretanha, que responde por quase metade das vendas totais. Nos últimos anos, a demanda registrou um aumento significativo em vários países, particularmente na Bélgica e na Espanha. Os clientes do mercado espanhol investiram em um total de mais de 300 ônibus híbridos da Volvo, dos quais apenas 120 no ano passado. Na Suécia, a Volvo Buses vendeu mais de 200 ônibus híbridos para cidades como Gotemburgo, Sundsvall, Nässjö, Värnamo e Kungsbacka.

Paris – Outra cidade que já aderiu à transição para ônibus sustentáveis é Paris, que está renovando sua frota de ônibus.

A autoridade de transporte parisiense, Île-de-France Mobilités (IDFM), juntamente com a operadora de transportes RATP (Régie Autonome des Transports Parisiens) selecionaram o ônibus GX 337 de 12 metros totalmente elétrico da Heuliez Bus para o ambicioso plano Bus2025 da capital francesa.

O contrato foi assinado em maio de 2019 e é o maior pedido de ônibus totalmente elétrico até hoje da Heuliez Bus, uma marca da CNH Industrial, também controladora da Iveco. Os veículos serão entregues por um período de dois anos a partir de 2020. A inclusão da Heuliez Bus na maior licitação europeia de ônibus elétricos lançada até agora pela RATP, com financiamento pelo IDFM, reforça a posição da marca neste segmento especializado.

GOTEMBURGO – Gotemburgo, na Suécia, em breve terá 220 ônibus elétricos em sua rede de transporte público. A agência de transporte público Västtrafik, depois de ter encomendado 30 ônibus elétricos da Volvo em 2018, optou por outro lote de até 130 ônibus elétricos. Os ônibus serão entregues em Gotemburgo à Transdev, que recentemente ganhou um contrato de dez anos para o serviço de transporte público na cidade.

A maior aquisição de ônibus da Västtrafik até agora inclui 30 novos ônibus elétricos.

Na encomenda também havia opções para outros 130 ônibus elétricos, que a Västtrafik decidiu acionar na assinatura do contrato. Os veículos encomendados elevarão para 220 o número de ônibus elétricos em operação em Gotemburgo.

“A transição para um tráfego urbano totalmente energizado é crucial para que possamos alcançar as altas metas ambientais que temos. Ao mesmo tempo, reduzimos o ruído e as emissões para que as pessoas se sintam melhor e possamos construir cidades mais densas e atraentes.

É ótimo saber que estamos muito à frente do desenvolvimento e esperamos que ele inspire mais regiões a dar os mesmos passos”, diz Lars Backström, CEO da Västtrafik.

“Este é apenas o começo. Até 2030, esperamos ter eletrificado todo o tráfego da cidade. A aquisição também mostra que podemos habilmente combinar finanças responsáveis com boa qualidade e sustentabilidade”, diz Peter Hermansson, presidente do Conselho de Administração da Västtrafik.

Västtrafi k, que é a agência de transporte público na região de Västra Götaland, tem altas metas de sustentabilidade. As emissões de dióxido de carbono devem ser reduzidas em 80% até 2020, 95% de todo o transporte deve ser feito com energia renovável até 2025, e o ruído do transporte deve ser reduzido.

Até hoje, em Gotemburgo, mais de 60 ônibus híbridos Volvo já estão em operação.

Afinal, a cidade é o local de nascimento do grupo Volvo e é conhecida pelo projeto ElectriCity: desde 2015, a rota 55 tem sido operada por ônibus elétricos e híbridos elétricos da Volvo. Em junho de 2018, os dois primeiros ônibus elétricos Volvo totalmente elétricos também operavam em parte da rota 16.

Os 30 novos ônibus elétricos encomendados no ano passado serão executados na rota 60 em Gotemburgo a partir do final de 2019. A rota de ônibus 60 é uma das rotas de tráfego mais intenso da Västtrafi k em Gotemburgo. Em 2017, havia mais de 6,2 milhões de viagens nessa rota e mais 700 mil de viagens nas rotas 59 e 62, onde os novos ônibus serão utilizados.

Hamburgo, Heidelberg e Mannheim são algumas das cidades da Alemanha que começaram a incorporar ônibus elétricos em seus sistemas de transporte. Essas cidades optaram pelos ônibus elétricos eCitaro da Mercedes-Benz para o transporte público.

O governo alemão criou mais um fundo para financiar a compra de mais 70 ônibus elétricos em cinco cidades. Atualmente, o ministério do meio ambiente alemão está financiando onze projetos de eletrificação de frota urbana, com a compra de 530 ônibus elétricos. Ainda assim, é apenas uma pequena parcela da frota total de 55 mil ônibus em operação hoje no transporte público da Alemanha.

Na Holanda, para deter as emissões crescentes de CO2 e de material particulado nas cidades, o governo holandês decidiu que até 2025, todos os novos ônibus de transporte público devem ser de zero missões. Recentemente a cidade de Eindhoven incorporou 43 novos ônibus elétricos em seu sistema de transporte.

O futuro da eletromobilidade parece estar próximo.

Veja também

Por