Priscilla Garcia, gerente nacional de operações portuárias do grupo Coopercarga: “Nosso foco é crescer 35% em 2022. O desafio é grande, mas estamos estrategicamente bem posicionados e contamos com diferenciais competitivos”

“A Coopercarga é um parceiro estratégico para os armadores de cabotagem, já que o transporte marítimo não consegue chegar à porta do cliente”, diz a executiva

Transporte Moderno – Em que áreas a Coopercarga atua?

Priscilla Garcia – Atuamos no modal rodoviário. Porém, moldamos todas as nossas operações conforme a necessidade de cada cliente unificando nossa especialidade em armazéns, postos de combustíveis, transporte marítimo e ferroviário.

Transporte ModernoAs operações portuárias correspondem a quanto das operações logísticas da empresa atualmente?

Priscilla Garcia – Atualmente, as operações portuárias correspondem a 14% do total Coopercarga, mas estamos trabalhando fortemente para alcançarmos percentuais maiores. As operações portuárias tiveram início em 2003 com a primeira unidade na cidade do Guarujá, porém atuamos no mercado desde 1990. A Coopercarga está há 32 anos no mercado, sendo 19 anos atuando nas operações portuárias e 12 anos sob minha gestão comercial e operacional.

A Coopercarga está presente nos principais portos do Brasil, como Santos e Guarujá, em São Paulo; Itaguaí e Sepetiba, no Rio de Janeiro; Itapoá, Navegantes e Itajaí, em Santa Catarina; Suape, em Pernambuco; e Vitória, no Espírito Santo. As operações portuárias incluem rotas dedicadas, inteligência operacional, gerenciamento de ponta e equipamentos especiais para o transporte de contêineres.

Transporte Moderno – Poderia citar exemplos de operações multimodais?

Priscilla Garcia – A Coopercarga é um parceiro estratégico para os armadores de cabotagem, já que o transporte marítimo não consegue chegar à porta do cliente. O trecho rodoviário realizado por nós é fundamental para o chamado serviço ‘porta a porta’. Coletamos a carga na planta do cliente e a deixamos no porto de destino e coletamos a carga no porto de origem e entregamos no endereço de destino. A união do modal marítimo e rodoviário é uma das nossas especialidades de sucesso.

A cabotagem está em amplo crescimento após o governo federal sancionar o Projeto de Lei 4.199/2020, que institui o Programa de Estímulo ao Transporte por Cabotagem, também conhecido como “BR do mar”. A medida foi comemorada pelo setor produtivo, que vislumbra uma oportunidade de reduzir os custos de transporte, com o uso dessa modalidade logística, até então limitada por questões regulatórias.

Transporte Moderno – Como a empresa pretende crescer nas operações portuárias? Que investimentos devem ser feitos para alcançar este objetivo?

Priscilla Garcia – Estamos focados nos investimentos de tecnologia que possa unir inovação, agilidade e sustentabilidade. Outro ponto importante é na formação de líderes que se conectem verdadeiramente com a parte humanizada do processo: motivar e apoiar a equipe é essencial para a expansão dos novos negócios.

Transporte Moderno – Quais os diferenciais da Coopercarga nas operações portuárias?

Priscilla Garcia – Hoje atendemos tanto a importação, quanto a exportação e isso nos permite estar presente no dia a dia destas operações. Conseguimos acompanhar de perto as particularidades de cada porto e assim investimos de maneira mais assertiva. Nossa gestão busca entender de forma exclusiva cada cliente, para que a parte comercial e operacional estejam alinhadas para entregar sucesso.

Por