JSL mantém crescimento acelerado no trimestre

A receita líquida de serviços atingiu R$ 1,3 bilhão de janeiro a março, o que corresponde a
um crescimento de mais de 49% na comparação trimestral, e o lucro líquido foi de R$ 33 milhões

A JSL registrou no primeiro trimestre de 2022 crescimento de 47% na receita bruta em comparação ao mesmo período de 2021, chegando a R$ 1,5 bilhão, valor que, ao ser anualizado, indica R$ 6,2 bilhões de faturamento. A receita líquida de serviços teve desempenho semelhante, somando R$ 1,3 bilhão, equivalente a um aumento de mais de 49% na comparação trimestral.

O crescimento orgânico combinado da receita bruta no período foi de 21% em relação ao mesmo período do ano anterior, confirmando a assertividade no modelo de aquisição e integração das cinco empresas adquiridas em 2021 – Fadel, Transmoreno, Transportadora Rodomeu, TPC e Transportes Marvel –, que tiveram crescimento orgânico de 31% na receita bruta de serviços e demonstraram capacidade de crescer de forma acelerada ao adicionar R$ 553 milhões de receita bruta à companhia.

No trimestre, o Ebitda da JSL atingiu R$ 219,1 milhões, com alta de 71,4% e margem de 17,3% em relação ao mesmo período de 2021, com uma expansão na margem Ebitda de 2,3 pontos percentuais na comparação com os dados do mesmo período do ano anterior. Ao anualizar o Ebitda deste trimestre, a empresa alcança R$ 878 milhões. “No cenário inflacionário atual, esses números são resultado da implementação de diversas ações operacionais que focam, principalmente, na otimização de custos e na manutenção das margens”, afirma Guilherme Sampaio, CFO da JSL.

A empresa obteve lucro líquido de R$ 33 milhões, com margem de 2,5% no primeiro trimestre de 2022. Excluindo-se os efeitos da amortização da alocação do preço das aquisições, o lucro líquido ajustado marcou R$ 35,9 milhões, com margem de 2,8%. “Atuamos em dois vetores para neutralizar os efeitos do aumento dos insumos: negociações ágeis e transparentes com os nossos clientes e eficiência na redução dos custos operacionais”, esclarece Ramon Alcaraz, CEO da JSL.

Novos contratos

A JSL fechou o trimestre com R$ 700 milhões em novas receitas contratadas, com prazo médio de 40 meses. Os setores que mais contribuíram com as novas receitas foram: papel e celulose (30%), alimentos e bebidas (26%) e siderurgia e mineração (12%), sendo que os principais serviços contratados pelos clientes são operações dedicadas (52%) e transporte de cargas (34%). Além disso, 94% da receita nova contratada provém de novos contratos com clientes já atendidos pela JSL, destacando a capacidade de cross-selling da companhia.

“Estamos presentes em setores essenciais da economia e que registram desempenho acima da média – dessa forma, conseguimos implementar projetos que colaboram com ganho de produtividade em indústrias pujantes e de forma diversificada”, diz o CEO. “Soubemos construir alianças relevantes para ampliarmos a nossa participação com a prestação de serviços em diversos segmentos, boa parte deles crescem muito acima da média”.

O serviço que mais se destacou foi o de armazenagem, com um aumento significativo de 298% relacionado em grande parte à consolidação da TPC, adquirida no segundo semestre de 2021 e que representa 75% da receita líquida de serviços da operação.

Outro segmento que apresentou um acréscimo significativo foi o de transporte de cargas, que contou com a consolidação da Marvel e da Rodomeu, ambas empresas de transporte de cargas especializadas, que contribuíram com 80% do aumento da receita líquida do segmento e somadas correspondem a 25% do faturamento atual do Transporte de Cargas.

O aumento da demanda de clientes já atendidos e o início de operações com novos clientes geraram mais oportunidades de cross-selling para esse tipo de serviço, com a participação especial dos segmentos de alimentos e bebidas e de bens de consumo.

Por