Peel Ports, opção para os exportadores reduzirem custos

Uma das principais operadoras portuárias do Reino Unido, a Peel Ports participou da intermodal pela terceira vez, já que busca estimular o comércio entre a América Latina e o Reino Unido. Com a decisão do país de deixar a União Europeia, há um foco crescente no comércio com as Américas como um todo, especialmente com a recente expansão do canal do Panamá, o que abriu novas rotas com o Extremo oriente.

Liverpool lida com o maior volume de granéis agro-alimentícios do que qualquer porto no Reino Unido, representando 40% das importações originárias da América do Sul. A Peel Ports assegura às outras indústrias latino-americanas de exportação que elas poderiam economizar em custos enviando seus produtos para descarregamento mais próximo ao destino final.

Atualmente, mais de 95% do volume de vinho importado da América do Sul entram no Reino Unido via portos do sul. No entanto, três das quatro principais instalações de engarrafamento estão localizadas mais próximas a Liverpool do que qualquer porto do sul.

Um total de 1,6 milhão de toneladas de produtos alimentícios e bebidas é exportado da América do Sul para o Reino Unido, dos quais 90% entram no Reino Unido via portos do sul. Entretanto, o entorno de Liverpool tem a mais elevada densidade de processamento de alimento e bebidas do país.

O Reino Unido importa mais de 170 mil toneladas de madeira compensada da América do Sul. Desse total 95% entram via portos do sul apesar de um quarto de toda a construção habitacional atual na Inglaterra se concentrar na região norte. Liverpool 2 pode lidar com produtos florestais em contêineres de navios com capacidade para até 20.000 TEU.

Terminal Liverpool2 pode lidar com porta-contêineres com capacidade de até 20.000 TEU

Em outubro do ano passado, a Autoridade do canal do Panamá assinou um importante memorando de Entendimento com a Peel Ports. O acordo foi assinado por Jorge L. Quijano, administrador da Autoridade do canal do Panamá durante uma visita formal ao Porto de Liverpool por uma delegação sênior do Panamá.

O acordo formal cria uma aliança estratégica que visa facilitar o comércio internacional e gerar novos negócios, promovendo rotas comerciais entre Liverpool e a costa oeste da América do Sul através do canal do Panamá.

O diretor-presidente da Peel Ports, Mark Whitworth, e o diretor de operações, Gary Hodgson, participaram da abertura oficial do canal do Panamá e devem retornar para reuniões de alto nível em março.

Mark Whitworth disse: “A abertura do canal expandido tem o potencial de abrir novos mercados para o comércio e tem o potencial de mudar os padrões de comércio internacional. Enxergamos momentos emocionantes com melhor conectividade comercial e oportunidades de negócios entre o Reino Unido e toda a América Latina, que não só gerará crescimento econômico, mas também criará empregos e aumentará as receitas. ”

A Peel Ports também reforçou recentemente sua campanha cargo200, lançada em 2015, que apela a importadores e exportadores cujos produtos começam ou terminam sua jornada no Norte da Grã-Bretanha para trocar a entrega de frete marítimo de portos do sudeste para o Porto de Liverpool localizado centralmente. Os carregadores de mercadorias que começam ou terminam sua viagem no norte podem economizar entre 350 e 400 milhões de libras anualmente. A iniciativa visa reduzir a distância percorrida pelo frete das mercadorias em 320 milhões de quilômetros até 2020.

As principais multinacionais, a exemplo da Diageo, JCB, Jaguar Land Rover, Bentley e Typhoo, estão entre as primeiras a responder à iniciativa Cargo200, incentivando o setor de transporte e logística do Reino Unido a realizar uma mudança fundamental na cadeia de suprimentos e rotas de serviços.

O diretor de vendas de contêineres da Peel Ports, Roger Megann, declarou: “Estamos agora em uma fase avançada de nossa campanha para criar uma mudança sustentável no setor de logística no Reino Unido. Nossos apoiadores vêm de uma ampla variedade de setores de varejo, manufatura e tecnologia, mas o que os une é uma demanda clara e substancial para cortar custos e minimizar congestionamentos e emissões de carbono, ao embarcar produtos para destinos mais próximos aos seus mercados de atuação.

“Com a abertura do terminal de contêineres Liverpool2  no final do ano passado, após investimento de 400 milhões de libras, pela primeira vez podemos oferecer as competências e a capacidade de atender à evidente demanda das empresas dos arredores de Liverpool. A campanha está dando confiança extra para as linhas marítimas avaliarem os benefícios da introdução de maiores serviços através do Porto de Liverpool.

 

Leia  mais  na revista Transporte Moderno nº481 no  Acervo Digital OTM

Veja também

Por