DHL passa a gerenciar a armazenagem de produtos médicos da Philips

A empresa implantou nova plataforma de TI e novos processos de etiquetagem, visibilidade e manuseio, para aumentar a qualidade das operações e acelerar o faturamento dos produtos

A DHL Supply Chain foi selecionada pela Philips, empresa especializada em tecnologia da saúde, para gerenciar a distribuição de produtos médicos profissionais da marca.

O centro de distribuição da fabricante foi transferido para um espaço multicliente da DHL às margens da rodovia Castelo Branco, em Barueri, na Grande São Paulo. Com uma área de 3,7 mil metros cúbicos e capacidade de armazenagem de 12 mil SKU (unidade de guarda de estoque). Além dos tradicionais armazém e docas, a instalação conta com área alfandegária, laboratório de reparos e áreas de quarentena e desinfecção.

O processo de transferência ocorreu de forma paralela à implantação de um novo software de gestão de armazém (WMS), em sintonia com as plataformas de gestão da Philips. Para Marcos Menna, diretor de novos negócios da DHL Supply Chain América Latina, o projeto é bastante complexo, tanto pela criticidade do produto como pelas diversas demandas regulatórias e numerosos detalhes. “No entanto, com nossa experiência, conhecimento e comprometimento da equipe, apresentamos uma solução eficiente e robusta, que contribui para a qualidade das operações logísticas da Philips”, acredita. A DHL tem um histórico de clientes da área de saúde que também incluem laboratórios e hospitais.

Walter Costa, chefe de Supply Chain da Philips Brasil, afirma que o desafio que foi apresentado à companhia era grande.

“Assumir a gestão do nosso centro de distribuição e realizar aprimoramentos, ao mesmo tempo em que a companhia implantava melhorias em sua plataforma de gestão. Isso tudo em uma indústria na qual não entregar um produto pode impactar vidas. A DHL fez uma transição assertiva, com um planejamento detalhado e alto nível de comprometimento”, informa.

O trabalho da DHL inclui a recepção dos produtos, como aparelhos de diagnóstico por imagem, ativos fixos e retorno de peças defeituosas, e de peças de reposição provenientes da fábrica de Varginha, em Minas Gerais e também do exterior; conferência (inbound); separação e armazenagem; controle de inventário, picking e expedição conforme a demanda do cliente. A DHL também é responsável pela logística do laboratório de reparos, logística reversa e exportação de peças.

Segundo a DHL, o processo de transição do centro de distribuição, que estava sendo gerido por outra empresa fornecedora de soluções logísticas, foi especialmente desafiador, pois envolveu o registro e a aprovação de oito órgãos regulatórios nas esferas municipal, estadual e federal. A transferência do estoque foi realizada em apenas 15 dias, em 68 veículos, em procedimento que ocorreu “de forma harmônica e sem rupturas”.

Outro aspecto importante do projeto foram as melhorias no processo de inventário e faturamento. Com a adoção do software de gestão do armazém e integração com sua plataforma de gestão, não haverá necessidade de realizar mais de seis mil inputs manuais de produtos no sistema por mês, o que aumenta a agilidade no reporte de informações, faturamento e reduz erros. O processo de coleta foi aprimorado com a adoção de etiquetas com QR Code, a utilização do Smart RF, do leitor de itens em formato celular, e da empilhadeira Wave, que eleva o colaborador até os níveis mais altos do armazém para a selecionar o produto desejado. “Todas essas melhorias vão ter um impacto direto no negócio da Philips, evidenciando como uma logística sólida e bem estruturada pode auxiliar as empresas em seu dia a dia e planos de expansão”, diz Menna.

Por