Volkswagen vai investir US$ 250 milhões na Argentina

O valor será destinado à renovação da picape Amarok, que é produzida na fábrica General Pacheco; ao início da produção de motocicletas Ducati em Córdoba, e ao projeto de localização de peças para Taos

A Volkswagen vai investir US$ 250 milhões na Argentina de 2022 a 2026. O valor será destinado à renovação da picape Amarok, que é produzida na fábrica General Pacheco; ao início da produção de motocicletas Ducati em Córdoba, e ao projeto de localização de peças para Taos. Este montante faz parte do investimento de US$ 1,2 bilhão que a empresa havia anunciado para a América Sul para impulsionar a digitalização e a descarbonização na região.

“É um orgulho ver o crescimento e o compromisso do Grupo Volkswagen com a Argentina. Temos realizado vários dos projetos anunciados nos últimos anos que contou com investimentos na ordem de US$ 1 bilhão no país: a modernização da infraestrutura e tecnologia em nossos centros industriais, a produção e exportação da nova caixa de transmissão MQ281 em Córdoba; a nova planta de pintura com tecnologia única no país e o início da produção e exportação do novo SUV Taos em Pacheco, e o novo Centro Logístico de Fátima”, disse Thomas Owsianski, presidente e CEO do Grupo Volkswagen Argentina. 

“Hoje continuamos investindo no futuro do país, com renovações em nossa picape Amarok que faz tanto sucesso na Argentina e em toda a região; a montagem da Ducati em Córdoba, o desenvolvimento da cadeia de valor com o projeto de localização Taos. Tudo isso é resultado do grande esforço de toda a nossa equipe de trabalho e reflexo do compromisso que temos no Grupo Volkswagen Argentina com produção, exportação e emprego nestes 41 anos que estamos presentes no país.”

Pablo Di Si, chairman executivo da Volkswagen América Latina, disse que a Argentina é um pilar importante para a Volkswagen América Latina. “Com este novo investimento, continuaremos fortalecendo nossa marca na região, com modelos cada vez mais adaptados às necessidades de nossos clientes”, disse o executivo.

Por